18 de março, 2016 0 Comentários

Série Rebelião e Redenção – #12 A igreja militante

LIÇÃO 12

Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e ele, comigo”(Ap 3:20)

Objetivos:

Conhecer: O fato de que, embora as mensagens às sete igrejas se apliquem às respectivas igrejas aos diferentes períodos da história do cristianismo, se aplicam também aos cristãos no mundo moderno.

Sentir: A compassiva avaliação que Cristo faz de nossa condição espiritual, como pessoas e como igreja de modo geral.

Fazer: Aceitar a oferta de Cristo de nos tornarmos vencedores com Ele.

A lição dessa semana através dos objetivos àcima descritos, nos direciona o olhar para 3 aspectos muito importantes:

  1. A história se tende a se repetir (embora não seja cíclica), e tende a se acumular. O que aconteceu ao longo do tempo da implantação do cristianismo com Éfeso, Esmirna, etc., se repete em Laodiceia, e mais, se acumula. É preciso olhar para o passado e verificar que erros ocorreram lá para que com isso aprendamos. Igualmente é preciso olhar para o mesmo passado para descobrir como foi que os que vieram antes de nós conquistaram vitórias.

  2. Apesar de tudo isso, Deus continua ternamente olhando para Seu povo, aguardando paciente e compassivamente que abram a porta. É preciso porém lembrar que paciência também tem limite, até mesmo para um Deus misericordioso e compassivo.

  3. Deus nos oferta que sejamos vencedores COM Ele. Nunca SEM Ele, nem À FRENTE DELE. Olhe com muita atenção o significado da pequena palavrinha COMIGO e para a expressão NO MEU TRONO, apresentadas à igreja de Laodiceia.

Não é objetivo da lição desta semana dissecar profeticamente cada uma das igrejas de apocalipse 2 e 3, e portanto, não precisamos gastar tempo com isso. Nossa atenção deve voltar-se para:

  1. Em todos os tempos Deus teve um povo que lhe servia de coração pleno, seguindo Seus conselhos e indicações.

  2. Em todos os tempos existiram fora do povo de Deus ímpios a serem advertidos da verdade

  3. Em todos os tempos existiram dentro do povo de Deus pessoas com vida dúbia, ou seja, joio e trigo misturados (exceção feita à Esmirna e Filadélfia, pois em meio à perseguição, ou ao fim dela, restam somente os fiéis. O mesmo acontecerá por ocasião da sacudidura).

Não vem longe o tempo em que o povo de Deus será chamado a dar seu testemunho perante os governadores da Terra. Nem um em vinte possui a compreensão dos largos passos que cortamos dando em direção da grande crise de nossa História. … Não há tempo para vaidade, para frivolidades, para ocupar a mente em coisas sem importância. Maranata, p. 251

  1. Em todos os momentos cruciais da igreja Deus forneceu guia específica para Seu povo – Em Éfeso – os apóstolos e o Espírito Santo. Em Laodiceia – Ellen White e o Espírito Santo

  2. Cada período da História Cristã guarda um contexto e consequências para o povo de Deus, mas o último tempo da história tem todos os contextos e todas as consequências de uma vez só.

    1. Éfeso

      1. Contexto

Presença dos Apóstolos

Pressão do Império Romano

Presença do poder do Espírito Santo

Expansão e evangelismo

      1. Resultado

Primeiro Amor – Característico dos primeiros conversos.

      1. Perigo

O pequeno período de paz, acrescido do martírio dos apóstolos e da rotina do evangelho conduziu à letargia e à perda do primeiro amor

    1. Esmirna

      1. Contexto

Perseguições agudas no Império Romano

      1. Resultado

Fidelidade.

      1. Perigo

Acusações e pressão dos traidores e apóstatas

    1. Pérgamo

      1. Contexto

Paz produzida pela conversão de Constantino e o Edito de Milão

Decreto Dominical

      1. Resultado

Perda gradual da fidelidade

Sincretismo religioso com o império e suas práticas pagãs

Adulteração das bases do cristianismo

      1. Perigo

Pacto da mediocridade e discurso politicamente correto para não atrair o antagonismo e o desgaste com o Estado

    1. Tiatira

      1. Contexto

Retorno das Perseguições, porém agora, lideradas pelos cristãos que aderiram ao sincretismo e absorveram as práticas do paganismo romano

Tentativa de desqualificação do cristianismo fiel (Vide as duas últimas bem aventuranças do capítulo 5 de Mateus)

      1. Resultado

Crescimento da apostasia

Identificação clara dos fiéis

Evangelismo sob risco de vida e perseguição

      1. Perigo

Acreditar que a maioria cristã e sua aparente prosperidade e vitória indicassem de que lado a verdade está

Abandonar a postura de Igreja Militante e tornar-se igreja vacilante

A maior necessidade do mundo é a de homens – homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus. Educ. P. 57

    1. Sardes

      1. Contexto

Perseguições agudas do cristianismo

Aparente vitória do cristianismo apostatado

      1. Resultado

Fidelidade

Reforma protestante

      1. Perigo

Polarização e Partidarismo das crenças

Idolatrar o Reformador como sendo ele o guia e a verdade e não Cristo e Sua Palavra

Perda de continuidade do trabalho do Reformador pela preguiça da igreja de continuar ela por si mesmo a estudar a palavra de Deus. Este conformismo impediu a próxima geração de continuar o projeto da Reforma e descobrir a verdade completa. (exceção feita à igreja remanescente)

    1. Filadélfia

      1. Contexto

Fim das Perseguições agudas

Propagação da Palavra de Deus com a queda do absolutismo

Ampliação da influência dos modelos reativos na Europa (Cientificismo moderno, iluminismo, renascença, ceticismo)

      1. Resultado

Ampliação do Cristianismo no Novo Mundo (EUA) e diminuição do cristianismo na Europa.

Surgimento do movimento Milerita

Redescoberta das profecias de Daniel (Livro Aberto)

Estudo fervoroso da Palavra de Deus

Revitalização da Esperança da Breve Volta de Cristo

      1. Perigo

Centrar a atenção em apenas uma mensagem da Bíblia em detrimento das outras

Êxtase da descoberta e perda do equilíbrio no Estudo da Bíblia

Cegueira textual resultante do desequilíbrio emocional resultante da permissividade do êxtase da esperança

    1. Laodiceia

      1. Contexto

Efeito pós desapontamento

Radicalização do partidarismo religioso

Proliferação de Denominações

Complexidade do Mundo

Globalização ideológica

Deus envia novamente um profeta

Crescimento do movimento medieval pela cura da ponta pequena

Sincretismo religioso crescente disfarçado de tolerância religiosa

      1. Resultado

Surgimento do remanescente

Descoberta da verdade presente em oposição a dispersão dos fundamentos da Bíblia

Sacudidura

      1. Perigos

Mornidão crescente dos seguidores da verdade, resultante de sua falsa sensação de segurança pela posse de toda a verdade

Aceitação de Costumes e práticas contextuais pós-modernas

Pequenas alterações das bases bíblicas por parte dos membros da Igreja, fazendo concessões ao mundo moderno

Elaboração crescente de justificativas ao liberalismo

Surgimento de movimentos radicais/extremistas como reação ao liberalismo

Apologia ao sectarismo e cisão no movimento adventista com a justificativa de não contaminação com os pecados de laodiceia, que conduz ao Perfeccionismo, farisaísmo e outros ismos

Condescendência com os costumes e propostas do mundo atual, sob a justificativa da graça, compaixão e misericórdia de Cristo, que conduz ao Liberalismo, Socialismo cristão, “Solidarianismo” tolerante, e outros ismos cada vez mais evidentes entre os apologistas da graça irrestrita e barata.

“Cientifização” da fé cristã, tentativa de explicação racionalista do metafísico e de explicação científica do metafísico que induz o racionalismo cristão.

Contextualização da palavra de Deus e da mensagem profética

Dúvidas sobre o dom profético e sobre o remanescente

Crítica desmesurada à liderança instituída da igreja, confundindo o erro humano isolado de um líder humano com o esfacelamento do movimento, o que irremediavelmente conduz à falsa ideia que essa já não é a igreja ou movimento que representa a verdade presente, e que portanto, é preciso um novo movimento. Tal postura sustenta as falsas reformas presentes hodiernamente na igreja.

Num mundo de tantas opções, gostaria de encerrar com as advertências precisas da vovó White sobre nosso tempo e sobre nossa igreja:

A igreja Militante não é agora a igreja triunfante; mas Deus a ama, e descreve pelo profeta como Ele Se opõe e resiste a Satanás, que veste os filhos de Deus nos trajes mais negros e corruptos, e pleiteia o privilégio de destruí-los. Os anjos de Deus protegiam-nos dos assaltos do inimigo. Diz o profeta:

“E me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do Anjo do Senhor, e Satanás estava à sua mão direita, para se Lhe opor. Mas o Senhor disse a Satanás: O Senhor te repreende, ó Satanás, sim, o Senhor, que escolheu Jerusalém, te repreende; não é este um tição tirado do fogo? Ora Josué, vestido de vestes sujas, estava diante do anjo. Então, falando, ordenou aos que estavam diante dEle, dizendo: Tirai-lhe estas vestes sujas. E a ele lhe disse: Eis que tenho feito com que passe de ti a tua iniqüidade, e te vestirei de vestes novas. E disse Eu: Ponham-lhe uma mitra limpa sobre a sua cabeça. E puseram uma mitra limpa sobre sua cabeça, e o vestiram de vestes; e o anjo do Senhor estava ali. E o anjo do Senhor protestou a Josué, dizendo: Assim diz o Senhor dos exércitos: Se andares nos Meus caminhos e se observares as Minhas ordenanças, também tu julgarás a Minha casa e também guardarás os Meus átrios, e te darei lugar entre os que estão aqui.” Zac. 3:1-7 – IR p. 18

Mestres que Devem Ser Evitados

Quando homens se levantam, pretendendo ter uma mensagem de Deus, mas em vez de combaterem contra os principados e potestades, e os príncipes das trevas deste mundo, eles formam um falso esquadrão, virando as armas de guerra contra a igreja militante, tende medo deles. Não possuem as credenciais divinas. Deus não lhes deu tal responsabilidade no trabalho. Eles desejam derrubar aquilo que Deus deseja restaurar pela mensagem de Laodicéia. Ele só fere para poder curar e não para fazer perecer. O Senhor não confere a nenhum homem uma mensagem que desanimará e desalentará a igreja. Ele reprova, censura, castiga; mas é apenas para poder restaurar e aprovar afinal. Quanto se alegrou meu coração com o relatório da Associação Geral de que muitos corações foram abrandados e conquistados, que muitos fizeram humildes confissões, e removeram da porta do coração o entulho que conserva fora o Salvador! Que alegria tive ao saber que muitos deram as boas-vindas a Jesus como hóspede permanente! Como é que estes folhetos que denunciam a Igreja Adventista do Sétimo Dia como Babilônia se espalharam por toda a parte, no mesmo tempo em que a igreja estava recebendo o derramamento do Espírito de Deus? Como é que os homens podem ser tão enganados que imaginem consistir o alto clamor em retirar o povo de Deus da comunhão de uma igreja que está desfrutando um período de refrigério? Oh, que essas pessoas enganadas entrem na corrente, e recebam a bênção e sejam dotadas do poder do Alto! Testemunhos Para Ministros, págs. 19-23.

Uma igreja Viva

Não tem Deus uma igreja viva? Ele tem uma igreja, mas esta é a igreja Militante, e não a igreja triunfante. Entristecemo-nos de que haja membros defeituosos, de que haja joio no meio do trigo. Jesus disse: “O reino dos Céus é semelhante ao homem que semeia boa semente no seu campo; mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou o joio no meio do trigo e retirou-se. E os servos do pai de família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu no teu campo boa semente? Por que tem, então, joio? E ele lhes disse: Um inimigo é quem fez isso. E os servos lhe disseram: Queres, pois, que vamos arrancá-lo? Porém ele lhes disse: não; para que, ao colher o joio, não arranqueis também o trigo com ele. Deixai crescer ambos juntos até à ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio e atai-o em molhos para o queimar; mas o trigo, ajuntai-o no meu celeiro.” Mat. 13:24 e 25, 27-30.

Na parábola do trigo e do joio, vemos a razão de o joio não ser arrancado; era para que o trigo não fosse desarraigado também com o joio. A opinião e o juízo humanos ocasionariam graves erros. Mas para que não se cometesse um erro e uma simples haste de trigo fosse desarraigada, diz o Mestre: “Deixai crescer ambos juntos até a ceifa” (Mat. 13:30); então os anjos arrancarão o joio, que será destinado à destruição. Conquanto em nossas igrejas, que pretendem crer em verdades avançadas, haja pessoas em faltas e erros, como o joio em meio do trigo, Deus é longânimo e paciente. Ele reprova e adverte o errante, mas não destrói os que são vagarosos em aprender a lição que lhes quer ensinar; Ele não desarraiga o joio do meio do trigo. O joio e o trigo devem crescer juntos até a ceifa; quando o trigo chegar ao seu completo desenvolvimento, e pelo caráter que apresentar quando amadurecido, ele se distinguirá perfeitamente do joio.

A igreja de Cristo na Terra será imperfeita, mas Deus não destrói Sua igreja por causa de sua imperfeição. Tem havido e haverá os que se acham possuídos de zelo mas não com entendimento, os quais desejam purificar a igreja e desarraigar o joio do meio do trigo. Mas Cristo proveu luz especial quanto à maneira de tratar os que erram, e os inconversos na igreja. Não devem os membros da igreja tomar alguma resolução espasmódica, zelosa, precipitada, ao excluir os que eles porventura considerem de caráter defeituoso. O joio aparecerá entre o trigo; mas causaria maior dano extirpá-lo – a menos que fosse do modo designado por Deus – do que deixá-lo crescer. Ao mesmo tempo que o Senhor traz para a igreja os verdadeiramente convertidos, Satanás traz para sua comunhão pessoas não convertidas. Enquanto Cristo semeia a boa semente, Satanás semeia o joio. Duas influências oponentes se exercem continuamente sobre os membros da igreja. Uma influência atua a favor da purificação da igreja, e a outra a favor da corrupção do povo de Deus.

Jesus sabia que Judas tinha defeitos de caráter, mas não obstante Ele o aceitou como discípulo e proporcionou-lhe os mesmos privilégios e oportunidades que proporcionara aos outros, que escolhera. Judas ficou sem desculpa para a má conduta que depois seguiu. Ele poderia ter-se tornado um praticante da Palavra, como foram depois Pedro, Tiago e João, e os outros discípulos. Jesus ministrou preciosas lições de instrução, de modo que os que com Ele se associavam poderiam ter-se convertido, não tendo necessidade de apegar-se aos defeitos que lhes manchavam o caráter. Testemunhos Para Ministros, págs. 41-47.

A Igreja Militante

Algumas pessoas parecem pensar que ao entrar na igreja ser-lhes-ão cumpridas as expectativas, e só encontrarão os que são puros e perfeitos. São zelosas na fé, e ao verem faltas nos membros da igreja, dizem: “Abandonamos o mundo para não nos associarmos com pessoas de mau caráter, mas aqui também está o mal”; e perguntam, como os servos da parábola: “Por que tem, então joio?” Mat. 13:27. Mas não precisamos ficar assim desapontados, pois o Senhor não nos autorizou a chegar à conclusão de que a igreja é perfeita; e todo o nosso zelo não terá êxito em tornar a igreja militante tão pura como a igreja triunfante. O Senhor nos proíbe proceder de qualquer maneira violenta contra aqueles que julgamos estarem em erro, e não devemos espalhar excomunhões e denúncias contra os que estão em falta. IR, p. 43

A Igreja não é Babilônia

Deus tem um povo em que todo o Céu se acha interessado, e eles são o único objeto na Terra, precioso ao coração de Deus. Que todos os que lerem estas palavras lhes dêem toda a consideração; pois em nome de Jesus desejo com elas impressionar cada pessoa. Quando se levanta alguém, de nosso meio ou fora de nós, tendo a preocupação de proclamar uma mensagem que declare que o povo de Deus pertence ao número dos de Babilônia, e que pretenda que o alto clamor é um chamado para sair dela, podereis saber que esse tal não é portador da mensagem de verdade. Não o recebais, não lhe desejeis bom êxito; pois Deus não falou por ele, nem lhe confiou uma mensagem, mas ele correu antes de ser enviado. A mensagem contida no folheto intitulado O Alto Clamor, é um engano. Semelhantes mensagens hão de apresentar-se e delas será declarado serem enviadas de Deus, mas tal declaração será falsa; pois não estão cheias de luz, mas de trevas. Surgirão mensagens de acusação contra o povo de Deus, imitando a obra feita por Satanás em acusar o povo de Deus, e estas mensagens serão proclamadas na mesma ocasião em que Deus diz a Seu povo: “Levanta-te, resplandece, porque já vem a tua luz, e a glória do Senhor vai nascendo sobre ti. Porque eis que as trevas cobriram a Terra, e a escuridão, os povos; mas sobre ti o Senhor virá surgindo, e a Sua glória se verá sobre ti.” Isa. 60:1 e 2. IR, p. 38

É Reafirmada a Confiança na Organização ASD

Não podemos desviar-nos agora do fundamento estabelecido por Deus. Não podemos agora entrar em nenhuma nova organização; pois isto significaria apostasia da verdade. Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 390.

Sou instruída a dizer aos adventistas do sétimo dia em todo o mundo: Deus chamou-nos como um povo para sermos-Lhe particular tesouro. Ele designou que Sua igreja na Terra esteja perfeitamente unida no Espírito e conselho do Senhor dos exércitos até ao fim do tempo. Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 397.

Por vezes, quando um pequeno grupo de homens, aos quais se acha confiada a direção geral da obra tem procurado, em nome da Associação Geral, exercer planos imprudentes e restringir a obra de Deus, tenho dito que eu não poderia por mais tempo considerar a voz da Associação Geral, representada por esses poucos homens, como a voz de Deus. Mas isto não equivale a dizer que as decisões de uma Associação Geral composta de uma Assembléia de homens representativos e devidamente designados, de todas as partes do campo, não deva ser respeitada.

Deus ordenou que os representantes de Sua igreja de todas as partes da Terra, quando reunidos numa Associação Geral, devam ter autoridade. O erro que alguns estão em perigo de cometer, é dar à opinião e ao juízo de um homem, ou de um pequeno grupo de homens, a plena medida de autoridade e influência de que Deus revestiu Sua igreja, no juízo e voz da Associação Geral reunida para fazer planos para a prosperidade e avançamento de Sua obra. Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 408.

Deus investiu Sua igreja de especial autoridade e poder, por cuja desconsideração e desprezo ninguém se pode justificar; pois aquele que assim procede, despreza a voz de Deus. Atos dos Apóstolos, pág. 164.

Sou animada e beneficiada ao compreender o que o Deus de Israel ainda guia Seu povo, e que continuará com eles, até ao fim. Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 406.

Uma Declaração de W. C. White

Eu lhe contei [à Sra. Lida Scott] como Mamãe considerava a experiência da igreja remanescente, e falei sobre o seu ensino positivo de que Deus não permitiria que esta denominação apostatasse tão completamente que houvesse o aparecimento de outra igreja. Carta de W. C. White a E. E. Andross, 23 de maio de 1915, Arquivo de Correspondência do Patrimônio Literário White.

EF, pp. 56-58

A igreja Militante é Imperfeita

A igreja Militante não é a igreja triunfante, e a Terra não é o Céu. A igreja se compõe de homens e mulheres errantes e imperfeitos, que são apenas alunos na escola de Cristo, a fim de serem adestrados, disciplinados, educados, para esta vida e para a futura vida imortal. The Signs of the Times, 4 de janeiro de 1883.

Algumas pessoas parecem pensar que ao entrar na igreja ser-lhes-ão cumpridas as expectativas, e só encontrarão os que são puros e perfeitos. São zelosas na fé, e ao verem faltas nos membros da igreja, dizem: “Abandonamos o mundo para não nos associarmos com caracteres maus, mas aqui também está o mal”; e perguntam, como os servos da parábola: “Por que tem então joio?” Mas não precisamos ficar assim desapontados, pois o Senhor não nos autorizou a chegar à conclusão de que a igreja é perfeita; e todo o nosso zelo não terá êxito em tornar a igreja Militante tão pura como a igreja triunfante. Testemunhos Para Ministros, pág. 47.

A igreja Triunfante Será Fiel e Semelhante a Cristo

A obra está prestes a concluir-se. Os membros da igreja Militante que se houverem demonstrado fiéis, tornar-se-ão a igreja triunfante. Evangelismo, pág. 707.

A vida de Cristo estava imbuída da divina mensagem do amor de Deus, e anelava intensamente transmitir esse amor aos outros, em abundante medida. O Seu semblante irradiava compaixão e Sua conduta caracterizava-se pela graça, humildade, verdade e amor. Todo membro de Sua igreja Militante deve manifestar as mesmas qualidades, se deseja fazer parte da igreja triunfante. Fundamentos da Educação Cristã, pág. 179. EF – pp. 62-63

Deus tem na Terra uma igreja que é Seu povo escolhido, que guarda os Seus mandamentos. Ele está guiando, não ramificações transviadas, não um aqui e outro ali, mas um povo. A verdade é um poder santificador; mas a igreja Militante não é a igreja triunfante. Há joio entre o trigo. “Queres pois que vamos arrancá-lo?” foi a pergunta do servo; mas o pai de família respondeu: “Não; para que ao colher o joio não arranqueis também o trigo com ele.” Mat. 13:28 e 29. A rede do evangelho apanha não só peixes bons, mas também ruins, e só o Senhor sabe quem são os Seus.

É nosso dever individual andar humildemente com Deus. Não devemos buscar nenhuma mensagem estranha, nova. Não devemos pensar que os escolhidos de Deus, que procuram andar na luz, componham Babilônia.

As igrejas denominacionais caídas é que são Babilônia. Babilônia tem estado a promover doutrinas venenosas, o vinho do erro. Este vinho do erro é composto de doutrinas falsas, tais como a imortalidade natural da alma, o tormento eterno dos ímpios, a negação da preexistência de Cristo antes de Seu nascimento em Belém, a defesa e exaltação do primeiro dia da semana acima do santo e santificado dia de Deus. Estes erros e outros semelhantes são apresentados ao mundo pelas várias igrejas, e assim se cumprem as Escrituras, que dizem: “Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua prostituição.”

“Debilitada e defeituosa, necessitando constantemente ser admoestada e aconselhada, a igreja é, não obstante, o objeto do supremo cuidado de Cristo. Mediante Sua graça procura influenciar o coração humano, efetuando tal transformação de caráter, que os anjos ficam maravilhados, e expressam sua alegria em cânticos de louvor. Regozijam-se ao pensar que os seres humanos, pecadores e sujeitos a errar, podem ser transformados.” Testimonies, vol. 7, pág. 16, 1902. TS2 – pp. 362-364

Nesta guerra, nossa única salvaguarda está no sangue do Cordeiro que voluntariamente se permitiu tragar em nosso lugar. Nosso escape reside em escolher quem será nosso Senhor nessa guerra.

Deixe seu comentário:


Você pode gostar também

Lição 13 – Crucificado e Ressurreto – Pastor Adalton Martins Ferreira

25 de junho, 2016

Lição 13 – Crucificado e Ressurreto – Pastor Adalton Martins Ferreira

Lição 12 – Os últimos dias de Jesus – Moises Lopes Sanches Junior

20 de junho, 2016

Lição 12 – Os últimos dias de Jesus – Moises Lopes Sanches Junior

Lição 11 – Eventos Finais – Wellington Romangnoli

11 de junho, 2016

Lição 11 – Eventos Finais – Wellington Romangnoli

Pesquisar

Lições da Biblia

Lição da Biblia - Segunda 29/05/2017

Lição da Biblia - Domingo 28/05/2017

Lição da Biblia - Sábado 27/05/2017

Lição da Biblia - Sexta 26/05/2017

Lição da Biblia - Quinta 25/05/2017

Lição da Biblia - Quarta 24/05/2017

Lição da Biblia - Terça 23/05/2017

Facebook