27 de novembro, 2015 0 Comentários

Comentário: Jeremias – Lição 09 (O jugo de Jeremias) – Pastor Moises L. Sanches Junior

LIÇÃO 9 – O jugo de Jeremias

Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-Me.”(Lv 9:23)

Objetivos:

Conhecer: A diferença entre a profecia verdadeira e a falsa, e saber como os seres humanos tendem a ouvir apenas o que gostariam de ouvir..

Sentir: Um pouco da solidão que Jeremias experimentou como consequência da constante oposição à mensagem que Deus lhe deu.

Fazer: Decidir ouvir a mensagem de Deus e obedecer, mesmo que ela não seja, necessariamente, o que gostaríamos de ouvir.

Esta semana, o alerta da lição ao povo remanescente, se concentra em uma recorrente frase de Cristo no discurso sobre sua vinda em Mateus 24. Cuidado, ninguém vos engane… Surgirão falsos Cristos … falsos profetas …”

Esta advertência nos remete a 3 questões básicas:

Como diferenciar a verdade do erro, quais os objetivos/estratégias da falsa mensagem e por que as mensagens falsas parecem mais atrativas que as verdadeiras.

  1. Verdade X Falsificação

Não é nada novo pra nós seres humanos a realidade de que Satanás é o especialista do engodo. Sua marca registrada é a mistura do falso e verdadeiro, utilizando essa mistura, em dosagem precisa e individual, afim de nos desviar a atenção, e consequentemente, a prática da verdade.

Como conseguir perceber a mistura entre a verdade o erro?

Tem um jeito fácil e um difícil.

O difícil consiste em estudar todos os tipos de erro existentes e todos os que Satanás ainda não inventou, e assim, toda vez que um erro aparecer você saberá que ele está ali. O problema com esse método é que, dificilmente você conseguirá conhecer todos os tipos de erro sem praticá-los ou antecipar tudo o que ainda não se inventou.

O fácil, bem, consiste em conhecer toda a verdade, tão profundamente que, quando você perceber que algo difere da verdade, mesmo não sabendo por que, isso é suficiente pra você desconfiar que deve haver alguma coisa errada ali. A vantagem deste método é que você precisa conhecer apenas uma coisa – A Verdade – e esta coisa não muda toda hora, aliás, não muda nunca pois é a verdade, e foi dada de uma vez só, por inteiro, e está disponível sempre pra você usar.

Um jeito fácil de ilustrar isso é como as pessoas são treinadas nos bancos a reconhecer o dinheiro falso. Eles não estudam as milhares de possibilidades de falsificação. Eles só estudam o dinheiro verdadeiro. Estudam tanto, convivem tanto tempo com ele, que, quando a primeira nota falsa passa por sua mão, eles tem certeza completa de que aquela nota não se parece com a verdadeira. Existe alguma coisa diferente. Eles não precisam necessariamente saber o que é que está diferente, mas eles sabem que não é o verdadeiro e descartam a nota ou a enviam para o especialista cuidar dela.

Assim deve ser nossa atitude. Conhecer a verdade, dedicar tempo à ela, conviver com seu Autor, e toda vez que nos depararmos com algo que gera alguma dúvida, é só descartar ou encaminhar ao especialista. Isto é o sentido da prudência. Na dúvida – NÃO ULTRAPASSE.

  1. Quais os objetivos/estratégias da falsa mensagem?

Esta questão nos remete a situação central do método de Satanás: Por que misturar a verdade com o erro e não o erro completo? Por que dosagem individual e não tentações por atacado?

A experiência resultante do tempo de observação, inteligência e sagacidade, fizeram de Lúcifer, outrora o Anjo de Luz, Querubim Cobridor, o mais astuto e vil inimigo de Deus. Seu objetivo central, atingir ao Pai retirando dEle o que há de mais importante: seus filhos.

Fiel à seu propósito e aplicado em sua missão, tem ele observado com a ajuda de seus anjos, cada ser humano afim de aprender deles mesmos quais as melhores estratégias para derrota-los.

Sua escolha pela mistura precisa entre a verdade e o erro lhe confere a vantagem de poder enganar aqueles que tem um conhecimento superficial da verdade, criando uma atmosfera agradável e atrativa o suficiente para que se faça a opção contra Deus.

Suas justificativas criam um discurso encantador, politicamente correto, que propicia o exercício de pequenas concessões sob as mais diversas formas e matizes:

Deus não liga pra coisas tão pequenas… Só uma vez não tem problema… Deus é bom demais pra ligar pra coisas assim… Deus te ama e quer que você seja feliz… Suas escolhas devem buscar aquilo que oferece benefício pra maior quantidade de pessoas possível, por isso você não deve se preocupar tanto com a honestidade do ato, mas com as consequências boas que sua prática vai produzir…

Tente fazer um exercício e construa sua lista de argumentos pelos quais pequenas concessões poderiam ser entendidas como “justificáveis” pelos fins por elas produzidos (Os fins justificam os meios), e talvez você descubra uma série de pequenas rachaduras em sua vida que poderão arrebentar as barreiras que segura o grande mal.

O resultado irremediável de ceder à mistura preparada pelo inimigo é a dúvida ou o desconhecimento do caráter de Deus.

O pior, como visto no exemplo desta semana, é que ele utiliza as próprias falas de Deus pra produzir o engano:

Deus ama seu povo, a menina de Seus olhos, ele não deixará perecer Israel. Assim discursava enfaticamente Hananias contra o profeta de Deus.

Nada diferente dos discursos do falso evangelho de hoje:

Deus é amor, Sua graça é maravilhosa, Seu perdão não tem limites… E então, sutilmente o engano – Sua Lei foi cravada na Cruz, Ele a cumpriu por inteiro, assim, você está liberto da Lei e não precisa mais cumpri-la, só o amor importa pra você agora!!

A bíblia é um livro muito antigo, em certo sentido, obsoleto, mas suas mensagens são ainda assim muito importantes, porém, precisamos contextualizá-las, trazer para os dias de hoje e adaptá-las, afinal, o mundo mudou, e Deus acompanha essa mudança…

A bíblia passou por muitas mãos, e por muitos interesses, portanto, não dá pra utilizá-la depois de tantas alterações que o texto deve ter sofrido ao longo dos anos, precisamos entender este texto por linhas mais gerais, mais metafóricas, absorver sua ideia central e não literal, e assim, construir a verdade de Deus para o tempo presente.

Levantar-se nos dias de hoje contra discursos desta ordem não tem sido tarefa fácil.

  1. Por que as mensagens falsas parecem mais atrativas que as verdadeiras?

A primeira razão é simples: Elas não parecem mais atrativas, elas SÃO mais atrativas.

As mensagens de Deus se baseiam em promessas, relação de confiança, crença, perspectiva, racionalidade, transformação e dependência.

As mensagens de Satanás se baseiam em realidade, conquista, visão, sentimentos, liberdade e independência.

A proposta de Deus é um olhar para recompensas futuras, enquanto a proposta de Satanás se concentra em benefícios tangíveis, presentes, de resultado imediato.

A proposta de Deus apresenta o fato de que você não presta. Satanás propõe que você é bom, os outros é que não prestam.

A verdade de Deus propõe o verso áureo:

Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-Me”. Lc. 9:23

A de Satanás, faz uma releitura do mesmo verso:

Não siga ninguém, aceite-se a si mesmo pois cada um é diferente do outro, se tiver que fazer algum sacrifício, faça por você, pois ninguém fara nada por você a não ser você mesmo. Acredite em você, VOCÊ PODE TUDO O QUE ACREDITAR. E se você acreditar em você, Deus também acreditará pois Deus ajuda quem cedo madruga.” St. 6:66

Como pecadores, nascemos com o desejo incontido de autossuficiência. Satanás alimenta isso e nos dá uma forcinha pra continuarmos acreditando nisso.

Por que é mais agradável ir com ele do que com Deus? Por que pra baixo, todo santo ajuda…

Você quer ir pra baixo ou pra cima? Nunca vi ninguém chegar esbaforido descendo a montanha. Mas vejo sempre as pessoas chegando quase mortas no topo.

Mas, uma coisa eu posso garantir, a visão do topo é imbatível.

Por fim, vamos ao resto da história. Por que Deus pediu ao profeta pra pagar o mico de andar com um Julgo atado ao pescoço? Por que permitir que o profeta passasse pela vergonha de ver o julgo ser quebrado pelo falso profeta? Por que retornar ao mesmo lugar com um julgo de ferro?

Das muitas respostas possíveis, a que mais gosto é triste, mas verdadeira:

Para expor a nossa ESTUPIDEZ.

Não por que Deus quisesse nos chamar de estúpidos, mas para mostrar que, não reconhece-lo como Deus, não aceitar suas promessas, não quere o céu, trocar a eternidade pela efemeridade da terra, é simplesmente estúpido, insano, débil.

Qual o resultado de aceitar a proposta de Deus?

Uma caminhada não raras vezes solitária, não compreendida, mas que, se trilhada ao lado de Deus, se mostrará prazerosa, não pelo Julgo, mas pelas pessoas que você encontrará pelo caminho, dispostas a se amarrar ao mesmo julgo, e quando você encontrar essas pessoas, descobrirá que o Julgo vai ficando tão mais leve quanto a alegria de ajudar outros a carregarem os seus.

Não é fácil descobrir a verdade, menos fácil ainda é descobrir que muito poucos a seguem de verdade, mas Deus nunca nos prometeu que seria fácil. Ele prometeu que andaria junto.

Acredite, quando Deus diz pra você o que você não gostaria de ouvir, não é por que ele te ame menos, mas é que Ele sabe onde estão os buracos, e não quer que você caia dentro pra só depois de machucado aprender.

A escolha, bem, essa continuará sendo nossa.

Deixe seu comentário:


Você pode gostar também

Lição 13 – Crucificado e Ressurreto – Pastor Adalton Martins Ferreira

25 de junho, 2016

Lição 13 – Crucificado e Ressurreto – Pastor Adalton Martins Ferreira

Lição 12 – Os últimos dias de Jesus – Moises Lopes Sanches Junior

20 de junho, 2016

Lição 12 – Os últimos dias de Jesus – Moises Lopes Sanches Junior

Lição 11 – Eventos Finais – Wellington Romangnoli

11 de junho, 2016

Lição 11 – Eventos Finais – Wellington Romangnoli

Pesquisar

Lições da Biblia

Lição da Biblia - Sábado 23/09/2017

Lição da Biblia - Sexta 22/09/2017

Lição da Biblia - Quinta 21/09/2017

Lição da Biblia - Quarta 20/09/2017

Lição da Biblia - Terça 19/09/2017

Lição da Biblia - Segunda 18/09/2017

Lição da Biblia - Domingo 17/09/2017

Facebook